fbpx

Na semana passada, mais precisamente no dia 17/06, o Banco Central (BC) reduziu a Taxa Selic de 3,00% a.a. para 2,25% a.a., ou seja, chegamos ao menor patamar da história dessa taxa.

Porém, a decisão já era esperada por analistas financeiros, pois, segundo a pesquisa Focus do BC das últimas semanas, o mercado já aguardava uma redução dos juros básicos para o patamar de 2,25%.

Além disso, para as próximas reuniões, poderá haver mais reduções. No entanto, a manutenção da taxa em patamares reduzidos, no médio prazo, vai depender da trajetória dos gastos do governo no ano que vem.

Nesse post falarei de:

Primeiramente, para exemplificar um pouco mais do momento atual, vou resgatar um pouco do histórico da taxa Selic.

Histórico da taxa Selic

No passado, por incrível que pareça, a taxa Selic já chegou ao patamar de 45,00% ao ano. Isto é, no período em que a inflação era o nosso maior inimigo, a taxa Selic era utilizada como forma de frear os preços.

Nos dias de hoje seria algo imaginável, ou seja, imagine você investindo R$100,00 em renda fixa e resgatando ao valor de R$145,00 no ano seguinte?

O fato é que essa mamata acabou e cá estamos hoje com um juros de 2,25%, um recorde histórico de queda que começou em 2016 e ainda pode continuar reduzindo ainda mais.

Mas qual o motivo para essa queda tão acentuada?

Por que a taxa Selic caiu?

O Comitê de Política Monetária (Copom) é o responsável por analisar os indicadores macroeconômicos como PIB, inflação, por exemplo, e definir se a taxa Selic deve ser alterada para dar algum tipo de estímulo para contribuir para a economia.

Assim sendo, temos duas motivações principais para a redução da taxa de juros:

1) Baixa atividade econômica

Desde a recessão de 2015, o crescimento do PIB brasileiro permanece muito baixo, ou seja, são os chamados voos de galinha. Além disso, este ano tivemos uma pandemia no meio do caminho para frear ainda mais a atividade econômica.

Com base nisso, o Copom entende que baixar a taxa Selic deve servir como um estímulo para o crédito e o consumo, ou seja, tomar dinheiro emprestado, seja para o empresário investir na sua empresa, seja para os cidadãos realizarem seus projetos, fica mais barato quando a taxa Selic cai.

Portanto, a primeira motivação é estimular a economia através do incentivo à circulação de dinheiro, tanto para empresas, quanto para os cidadãos.

2) Baixa inflação

Por outro lado, a segunda motivação tem a ver com a inflação baixa.

Por exemplo, a meta de inflação para o Brasil hoje é de 4% em 2020, com intervalo de tolerância de 1,5 ponto percentual para cima ou para baixo. Entretanto, segundo a pesquisa Focus do BC das últimas semanas, o mercado estima que a inflação ficará em torno de 1,55% no ano de 2020.

Em outras palavras, diminuindo a taxa Selic, o Banco Central estimula a economia, o crédito e o consumo, fazendo com que a inflação aumente, pois ainda está abaixo do centro da meta de 4%.

Por isso, a segunda motivação é que a inflação está controlada e dá margem para estímulos à economia através de crédito mais barato, ou seja, redução da taxa Selic.

E então, como ficam os investimentos de renda fixa que são atrelados de alguma forma à Selic?

Rentabilidade da Renda Fixa

A realidade é que ficou difícil viver de renda apenas investindo em renda fixa, pois os investimentos tradicionais como a poupança, Tesouro Selic e CDI passaram a pagar muito pouco.

Enquanto o Tesouro Selic rende 100% da taxa Selic, ou seja, os mesmos 2,25% ao ano, a poupança rende apenas 70% da taxa Selic (1,58%) e o CDI um pouco a menos que a taxa Selic (2,15% no dia 23/06/2020).

Ainda assim, o pior de tudo é que, ao descontar imposto de renda (IR), taxa de custódia e inflação, os ganhos anuais ficam próximos do ZERO e, se a inflação subir mais um pouco ou a Selic tiver um novo corte, podem ficar até mesmo negativos!

InvestimentoTaxa ao anoIRCustódiaInflação Projetada¹Rendimento Real Líquido
Tesouro Selic2,25%22,5%0,25%1,55%0,00%
Conta em Banco Digital pagando 100% CDI2,15%22,5%Isento1,55%0,11%
Poupança1,58%IsentoIsento1,55%0,03%
Tabela de Rendimentos em Renda Fixa
¹Projeção do IPCA para 2020 extraída do Relatório Focus de 22/06/2020.

Dessa forma, se você possui algum valor aplicado em poupança ou em títulos com remuneração próxima a 100% do CDI/SELIC, saiba que você pode encontrar aplicações com rendimentos superiores, sem perder a segurança.

Quais são as alternativas?

A principal válvula de escape são os fundos de Renda Fixa com taxa zero de administração e você encontra eles em várias corretoras, como no BTG, na PI, na Rico e na Órama, por exemplo.

Nome do FundoAplicação MínimaTaxa de AdministraçãoCorretora
BTG Pactual Digital Tesouro Selic FI RFR$ 500,000,00%BTG Digital
Órama DI Tesouro FI Renda Fixa Simples LPR$ 1.000,000,00%Órama
Trend DI Simples FIRFR$ 500,000,00%Rico
PI Selic RF SimplesR$ 500,000,00%PI
Tabela de Fundos de Renda Fixa com Taxa Zero.

Entretanto, vale a pena avisar: isso não será a salvação completa, pois olhando para os próximos meses, todos os investimentos em Renda Fixa atrelados ao CDI/Selic terão retornos negativos ao descontar a inflação.

Em outras palavras, a grande questão é perder o mínimo possível e você pode fazer isso de duas formas:

1) Alocar riscos nos lugares certos

Não queira achar que vai ficar rico com investimentos focados na sua reserva de emergência, por isso, investir para receber 110 ou 120 do CDI, não vai fazer muita diferença agora.

Ou seja, você receberia algo como +0,20 a +0,50 por cento ao ano e não mudaria muita coisa. Por isso, para construir sua reserva de emergência, aceite que o rendimento será próximo de zero e escolha opções como as citadas acima para formar sua reserva de emergência.

Por outro lado, com a reserva de emergência formada, comece a experimentar outras opções de investimento, como por exemplo, fundos de investimento, fundos imobiliários, debêntures, ações, etc. Isto é, usar o risco a seu favor, saber alocar risco no lugar certo.

2) Escolher bons gestores de fundos

Ao escolher um fundo de renda fixa para montar sua reserva de emergência, além de verificar se a taxa de administração é zerada, pesquise também sobre o gestor desse fundo, pois bons gestores podem te trazer retornos acima do esperado.

Por fim, com essa distribuição da sua carteira, espero que possa colher bons frutos e aproveitar o lado bom da queda da taxa Selic, além de te encorajar a buscar novas opções de investimentos.

Murilo Massaretto

Murilo MassarettoEconomista com especialização em Finanças, Investimentos e Banking