fbpx

A Riqueza da Vida Simples – Capítulo 7

No capítulo 6, Cerbasi fala um pouco mais da importância do autoconhecimento e como saber sobre si mesmo pode te ajudar no processo de enriquecimento.

Agora, no sétimo capítulo de A Riqueza da Vida Simples, o autor faz um complemento do último capítulo, dando ideias de como eliminar o que não contribui para a sua felicidade, inclusive, entrando mais afundo no tema do minimalismo.

Capítulo 7 – No mínimo, a essência.

Antes de mais nada, neste post falarei de:

O que é importante para nós?

O autor começa o capítulo 6 com a seguinte frase:

Um passo importante para termos uma vida de mais realizações é focarmos em ter fartura daquilo que é genuinamente importante para nós. Ao mesmo tempo, devemos atentar para descartar o restante.

Gustavo Cerbasi

À primeira vista, o que o Cerbasi quis dizer é que devemos priorizar ter mais qualidade de vida e realizar mais sonhos. Entretanto, lembrando o último capítulo, esses sonhos devem ser seus e não de outras pessoas.

Além disso, reduzir os gastos com padrão de vida também é importante, pois tudo o que não te faz bem, deverá ser descartado. Mas, lembre-se que você somente saberá o que focar se tiver o autoconhecimento, pois muitos dos gastos do atual padrão de vida nada agregam à sua alegria.

Mudança de comportamento

A sociedade se transforma. O que funcionou para algumas pessoas no passado não funciona mais. Talvez tenhamos que sair da zona de conforto, bater a mão no peito, assumir a responsabilidade e criar um caminho novo para nossa vida.

Gustavo Cerbasi

Frequentemente, crises, pandemias e guerras trazem grandes mudanças de comportamento. Por exemplo, nesses períodos, pessoas enxugam suas dívidas, evitam compra à prazo, analisam contratos com mais critério, optam por bens compartilhados e cogitam um plano B.

Então, pense agora em tudo que mudou desde o início da última pandemia. Nesse ínterim, reflita quais os motivos de essas mudanças não terem ocorrido em outros períodos.

Em resumo, aquilo que você tinha pensado no passado pode não fazer mais sentido e as alternativas precisão ser alcançadas. Em outras palavras, quando passamos por esses períodos de transformação, não podemos ficar se apegando ao que era passado, mas enxergar como vai ser daqui para frente.

O abandono do automóvel

Meus alunos, cientes do custo de manutenção, têm consciência de que carro, mesmo os modelos mais populares, é um luxo. Se eu posso custear e não atrapalha em nada meus planos mais importantes, mantenho na garagem. Mas, se preciso cortar gastos, meu trabalho de enxugamento das contas começa por ele..

Gustavo Cerbasi

Em síntese, existem 3 motivos principais para abandonar o automóvel:

  1. Cidadania, por conta das consequências negativas do trânsito para a sociedade;
  2. Sustentabilidade, pois deixa o ar mais limpo e;
  3. Custo de manutenção, que engloba revisão, troca de peças, troca de pneu, troca de óleo, mão de obra.

Para avaliar o seu caso, lembre-se de analisar as várias opções: aluguel, táxi, aplicativos, etc. Além disso, não esqueça de considerar o valor do carro, custo de financiamento, manutenção, seguros, impostos, perda de valor (depreciação) e custo de oportunidade (quanto estaria rendendo o dinheiro da compra do carro se estivesse aplicado).

Use a criatividade

Evite pensar nas necessidades e dificuldades como barreiras intransponíveis. Pense nelas como obstáculos a serem contornados ou, como se diz tecnicamente, como parâmetros do cenário.

Gustavo Cerbasi
Alimentação

Vamos pensar, por exemplo, no caso da alimentação. Primeiramente, como é feito o gasto com alimentação na sua casa? Além disso, como a criatividade pode te ajudar a contornar esse obstáculo?

Isto é, se você compra comida pronta, pode começar a comprar no mercado e fazer em casa. Por outro lado, se já faz isso, pode criar, plantar e colher. Entretanto, o mais importante aqui é saber que existem possibilidades, basta criatividade para encontrá-las.

Por fim, Cerbasi dá um exemplo prático ainda nesse quesito da alimentação que são as compras por atacado. Ou seja, caso você se junte com seus familiares ou vizinhos para comprar em grandes quantidades, podem encontrar bons descontos.

Vestuário

Você precisa se vestir. Mas precisa de boas roupas ou “de uma roupa para cada ocasião”? A moda não lhe é imposta. Você pode segui-la ou não.

Gustavo Cerbasi

No caso do vestuário, a moda permite diversas opções e combinações que não necessariamente as roupas de marca.

Por exemplo, Mark Zuckemberg do Facebook usa somente jeans e camiseta cinza. Além dele, Steve Jobs usava apenas camiseta de gola preta. Ou seja, ambos bilionários que não colocam o vestuário como algo importante para suas vidas.

No meu caso, adoto a lei dos 6 meses no meu armário, isto é, se eu não usar determinada roupa em 6 meses, é sinal de que ela não é necessária e posso me livrar dela.

Não pense no problema, pense na solução

Abra sua mente para que suas escolhas sejam mais ricas, lhe permitam mais possibilidades.

Gustavo Cerbasi

Aqui vão alguns exemplos de reflexão feitos pelo autor no livro para você pensar na solução ao invés do problema:

  • Você tem que ter uma casa? Não, tem que ter onde morar.
  • Tem que ter um telefone? Não, tem que ter como se comunicar.
  • Tem que ter um carro? Não, tem que ter como se locomover.
  • Ah, eu preciso de um carro maior porque viajo muito. Não! Que tal ter um carro compacto e alugar um maior quando viajar?
  • O que falta é dinheiro ou tempo para se organizar? Talvez você esteja apenas dando a mesma desculpa que todos utilizam para não ter que assumir a responsabilidade pelas dificuldades financeiras, que são resultados das suas escolhas.

Racionalizar escolhas e evitar os excessos

Um movimento crescente na sociedade, reflexo da consciência contra o consumismo e seus efeitos nocivos para o futuro, é a adoção de uma atitude minimalista de consumo.

Gustavo Cerbasi

Minimalismo é consumir apenas o necessário, mas não confunda com estilos mais radicais, como os hippies.

Uma atitude minimalista exige desapego. Por exemplo, se livrar daquele quartinho da bagunça cheio de coisas que não são utilizadas.

Minimalistas pensam não só na função do que é comprado, mas também na utilidade do que é comprado – quantas vezes você utilizará o equipamento?

Gustavo Cerbasi

Ser minimalista é ter um padrão mais funcional e utilitarista de consumo, ou seja, gasta-se menos com o que não terá utilidade para concentrar no que é útil.

Existem alguns conceitos de minimalismo que podem te ajudar, tal como o guarda-roupa cápsula, que consiste na ideia de ter entre 33 e 37 peças no guarda-roupa, isto é, o suficiente para qualquer pessoa.

Saber de onde vem a sua felicidade é importante para eliminar o que não contribui para ela. Dessa maneira, ao gastar mais com o que queremos, nos sentimos mais ricos.

No meu caso, não me importo de ter uma geladeira cheia de supérfluos, prefiro guardar esse dinheiro para gastar com viagens.

O barato sempre sai caro

Tão importante quanto ter fartura é ter qualidade naquilo que é fundamental.

Gustavo Cerbasi

Ser minimalista não significa comprar tudo o que for mais barato. Por exemplo, um minimalista corredor comprará o melhor e mais durável tênis de corrida. Afinal, sociedades minimalistas abominam a pirataria.

Da mesma forma, se prefere ter um carro, terá aquele com maior benefício e menor perda de valor pelo mais longo tempo de uso possível.

Isso quer dizer que, se você gosta de carros esportivos, não precisa comprar um para ficar no trânsito, pode comprar um mais simples e alugar carros esportivos em viagens ou autódromos, onde poderá explorar o máximo de suas características.

Por fim, outro exemplo seria uma casa com aluguel mais simples pode dar margem para uma internet mais rápida.

É mais inteligente adquirir apenas o que será utilizado frequentemente e pedir emprestado a alguém aquilo que você utilizará pouco.

Gustavo Cerbasi

Uma vida minimalista tem que ser pensada coletivamente.

Imagine um prédio com 4 apartamentos por andar. Será que realmente todos os 4 apartamentos precisam ter todos os eletrodomésticos? Não seria melhor se um deles tivesse um eletrodoméstico específico que pudesse compartilhar com os outros?

Nesses casos, a proposta de compensação pelo empréstimo deve partir de quem pede, ou seja, se você pediu emprestado a batedeira do vizinho para fazer um bolo, faça 2 e devolva a batedeira dando um bolo como compensação.

Minimalista é aquele que conversa com familiares e amigos e propõe o compartilhamento. Por exemplo, conversar com outros pais no começo do ano para fazer a compra de material escolar juntos, economizando em quantidades.

Enfim, a mensagem de Cerbasi é de procure amar mais as pessoas e usar mais as coisas e não o inverso.

8 atitudes para iniciar essas práticas

Cerbasi recomenda oito atitudes para iniciar essas práticas em casa:

  1. Pedir emprestado: A regra de ouro é sempre devolver mais, como os juros de um empréstimo.
  2. Comprar por atacado: O consumo por atacado pode render bons descontos.
  3. Fazer compras coletivas: Existe um processo de compras hoje chamado de Time-sharing, onde imóveis de veraneio, flats, carros de luxo, são comprados em conjunto e seu uso dividido com base em uma agenda.
  4. Compras conscientes: Essa necessidade é real ou apenas fruto do desejo de pertencer a um grupo?
  5. Reformar e consertar: Além da conservação e troca preventiva de peças, o reparo é uma solução igualmente inteligente. Consertar mais, descartar menos!
  6. Fazer trocas e permutas: Já existem comunidades de permuta, onde os serviços mais ofertados são de manicure, passeio com pets, fotografia profissional, reparos e reformas domésticas, aulas particulares e cursos on-line.
  7. Renovar experiências: Renovar assinaturas automaticamente e corrigir planos de pagamento pela inflação é uma atitude acomodada.
  8. Reserva de emergências: Quando usada, a prioridade deve ser recompô-la quanto antes.

Ao desenvolver o mindset de comprar menos e impactar menos, combinamos a economia doméstica com a valorização do comércio local e a redução do impacto social. Isso reduz a necessidade de atuação do Estado e alivia os cofres públicos para que possam fazer um planejamento mais preventivo.

Gustavo Cerbasi

Se você ter esse tipo de pensamento, de comprar menos, impactar menos o meio ambiente e consumir menos, suas atitudes vão gerar um efeito positivo. Afinal, isso pode ser aplicado a diferentes itens de consumo e para as mais diversas classes sociais.

Além disso, diante de uma sociedade conectada, o compartilhamento torna-se uma tarefa muito mais simples de ser implementada, pois não adianta somente refletir, mas também deve-se colocar em prática.

Conclusão

Chegamos ao final do capítulo 7 e espero que você tenha refletido um pouco mais sobre viver com o necessário, ou seja, sobre minimalismo.

No próximo post, vou falar sobre o Capítulo 8 do livro: Protótipo da vida futura.

Nesse capítulo, o autor faz um exercício para te mostrar os benefícios que você terá ao adotar esse estilo de vida minimalista.

Comente se gostou, escreva suas dúvidas, e até o próximo post.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.