fbpx

A Riqueza da Vida Simples – Capítulo 5

No capítulo 4, o autor mostra que você tem opções para alcançar seus objetivos e mostra isso de uma forma prática.

Agora, no quinto capítulo de A Riqueza da Vida Simples, que também leva o título do livro, o autor mostra como fez para se conectar com o campo e levar uma vida mais simples, sem deixar de ter riqueza.

Capítulo 5 – A Riqueza da Vida Simples.

Antes de mais nada, neste post falarei de:

Como e onde vivem as pessoas que são felizes com seu nível de renda?

O autor começa o capítulo 5 com a seguinte frase:

Pondere suas habilidades e onde elas podem ser desempenhadas. Já pensou em prestar um concurso público em um estado com menor demanda? Candidatar-se a vagas em outra cidade? Buscar emprego onde há boa oferta de cursos noturnos profissionalizantes?

Gustavo Cerbasi

Continuando a tônica do livro e, especialmente, do último capítulo, o autor dá mais alguns exemplos práticos de opções para viver bem com o seu nível de renda atual.

Por exemplo, e se você trocar a casa simples, insegura e cara na cidade por uma região rural?

É preciso lembrar que sonhos viram planos, que se concretizam quando são devidamente organizados. Se isso não ocorrer, dificilmente um sonho deixará de ser sonho.

Além disso, Cerbasi afirma que buscar um padrão de vida 10% mais barato seria extremamente transformador e libertador, ou seja, se você conseguir viver com um custo de vida 10% menor que o atual, você já sentiria os efeitos da riqueza da vida simples.

Outra reflexão que ele traz é se o seu negócio geraria mais resultados em uma cidade grande. Ou seja, suponha que você vive no interior e possui um negócio próprio. Ao mudar para uma cidade grande, seu negócio pode ganhar escala e, consequentemente, você teria uma renda maior.

Mas não se engana, os custos de vida de morar na cidade grande também são maiores. Porém, a questão aqui é se esses custos aumentarão na mesma proporção que os seus ganhos ao ter maior escala na cidade maior.

Em suma, pode ser que pague um pouco mais pra viver, mas estará exposto a mais oportunidades.

O efeito cascata dos gastos

Simplicidade, mesmo em uma vida mais complexa. Lembre-se de pensar sempre: dado o cenário, qual a melhor forma de viver com a limitação de recursos que tenho?

Gustavo Cerbasi

Temos o costume de ficar pensando em como seria a vida se ganhássemos na loteria, se ganhássemos um aumento, mas não pensamos em como seria se conseguíssemos viver bem no atual nível de renda.

Por exemplo, um imóvel 10% mais barato trará uma economia muito maior do que apenas 10%. Isso porque você economizaria com a energia, limpeza, manutenção, impostos, etc.

Além disso, não só os gastos diretos diminuiriam, bem como os gastos indiretos, pois imóveis mais econômicos situam-se em bairros mais econômicos. Em outras palavras, ao reduzir determinado custo, o efeito cascata carrega essa economia para outros custos relacionados.

Por fim, vale lembrar que o efeito cascata vale também para automóveis, ou seja, ter um automóvel 10% mais barato gera um efeito cascata nos custos que diminuem muito mais que os 10% iniciais.

Como morador do seu bairro, você deve se preocupar com ele

É extremamente enriquecedor valorizar o comércio e a produção locais. Um comerciante bem-sucedido lucrará mais e fará melhorias na loja e na fachada. Quanto mais o negócio crescer, mais ele tenderá a utilizar serviços do bairro, como entregas, galpões, embalagens e similares. Também terá maior poder para pleitear melhorias junto aos órgãos públicos.

Gustavo Cerbasi

Se o comércio mais próximo da sua casa está caro, experimente barganhar com o argumento da fidelidade. Ou seja, mostre que você é um cliente assíduo e que representa um ativo valioso para esse comércio.

Por outro lado, se o comércio mais próximo presta um serviço ruim, oriente-o. Muitas vezes, nem ele sabe que está prestando um serviço ruim e alguém precisa contar pra ele, ou então ele descobrirá da pior forma, que é perdendo todos os clientes.

Além disso, ligue para a prefeitura para cobrar segurança, asfalto e limpeza. Faça sua parte como cidadão. Se cada um cuidar da sua rua, cobrando das autoridades os serviços públicos que devem ser feitos, teríamos cidades bem mais desenvolvidas.

Enfim, cuide bem do seu jardim e seu patrimônio irá valorizar.

A decisão de viver no campo

Essa é a vantagem da vida no campo. Lazer a custo baixo, alegria de plantar e colher do próprio quintal, facilidade e espaço para reunir pessoas queridas, lições de vida e de sociedade para as crianças.

Gustavo Cerbasi

Para o autor, viver no campo sempre foi um desejo antigo. Porém, só foi realizado após ele conseguir a independência financeira.

Se você ainda está na escalada, use a cabeça para alcançar os objetivos diante das limitações do cenário. Ou seja, reveja os capítulos anteriores, trace um plano e continue seguindo até conseguir atingir seus objetivos.

Por exemplo, experimente trocar o resort no ano novo por um mês de experiência com a família. Você verá que com o mesmo valor gasto, poderá ter experiências muito mais intensas e duradouras.

Enfim, uma vida simples pode ser extremamente rica para a família.

A vida pode ser simples

A vida pode ser simples. Na verdade, a vida é simples, o que complica são os boletos!

Gustavo Cerbasi

A dificuldade em reconhecer que a vida é simples começa quando associamos nossas escolhas a padrões comerciais.

Por exemplo, você realmente é mais feliz com uma roupa de grife do que com uma que simplesmente o vista bem?

Não é o “poder pagar” que determina se podemos ou não comprar, mas a necessidade. Em outras palavras, você pode pagar por uma série de bens ou serviços, mas será que você realmente precisa disso?

Portanto, o desafio é saber atender às nossas vontades sem transformar isso em um problema.

O que é status?

Status é você comprar coisas de que não precisa, com um dinheiro que não tem, para mostrar a pessoa de quem não gosta que você é alguém que nunca será.

Gustavo Cerbasi

Para conquistar mais objetivos, você precisa abrir mão de parte do seu padrão de vida e começar a formar reservas.

Para formar reservas, precisa saber que todo tipo de consumo é uma forma de recompensa. Porém, por muitas vezes essa recompensa é momentânea e dura muito pouco.

Por isso, formar reservas é abrir mão de recompensas presentes por compensação futura. É gastar menos do que ganha e guardar o que sobra para poder usar futuramente com uma compensação pela poupança.

Entretanto, você precisa de motivação e não dá pra simplesmente ficar sem nenhum tipo de recompensa.

Como formar reservas sem ficar desmotivado?

Sem cuidados pessoais e sem verba para sair da rotina, sua vida ficará menos interessante. Seu nível de ansiedade poderá aumentar, prejudicando seu sono e, consequentemente, sua produtividade e seus relacionamentos. Você passará a ter que administrar mais problemas, agravando a situação e deixando de dar a necessária atenção a seus planos.

Gustavo Cerbasi

Se você não proporcionar a si mesmo nenhum tipo de recompensa, a chance de seus sonhos serem abandonados aumenta muito.

Por exemplo, quando as pessoas começam uma dieta, geralmente passam os primeiros dias seguindo regradamente o cardápio recomendado por um nutricionista. Porém, com o passar dos dias, a ansiedade poderá aumentar e, consequentemente, poderão cair na tentação de comer algum doce ou alimento que não estava prescrito.

Da mesma forma, quando as pessoas começam a ir na academia, a primeira semana costuma ser completa sem nenhum esforço. Mas a partir do momento que os dias vão passando, qualquer chuva ou sinal de canseira serve como desculpa para não irem mais fazer exercícios.

A solução, portanto, envolve 2 passos:

  1. Diminuir o esforço da poupança e
  2. Criar objetivos intermediários.
1) Diminuir o esforço da poupança

A primeira solução seria diminuir o valor a ser poupado mensalmente, ou seja, se o dinheiro que sobrava no final do mês eram R$100 e você poupava todo ele, considere poupar somente R$80 e deixar R$20 para cuidados pessoais.

Porém, é importante lembrar que existe um problema associado, pois exige mais tempo pra atingir o objetivo final.

2) Criar objetivos intermediários

A segunda solução seria criar recompensas mais frequentes com a verba disponível.

Por exemplo, suponha que seu sonho, assim como era o do Gustavo Cerbasi, seja o de ter uma casa no campo. Nesse caso, você terá um objetivo maior no longo prazo de guardar dinheiro para comprar essa casa no campo.

No entanto, você pode criar experiências recorrentes alugando todo ano uma casa no campo algumas semanas para passar com a família com parte do dinheiro poupado.

O exemplo do automóvel

Se seus objetivos intermediários estiverem relacionados ao principal, eles podem intensificar sua paixão pelo objetivo principal e até acelerar o processo de conquista.

Gustavo Cerbasi

Vamos dar um caso prático aqui como exemplo.

Gustavo Cerbasi sempre gostou de automóveis. Porém, mesmo tendo condições, optou por carros econômicos.

Entretanto, quando viaja, sempre encaixa alguma experiência em algum autódromo ou com algum carro superesportivo.

Ou seja, se você gosta de carros esportivos, não adianta ter um desses para usar no dia a dia, ou na cidade, pois gasto para mantê-lo, considerando todos os custos (impostos, seguro, manutenção, etc.) é muito alto. Então, uma opção é ter um carro econômico e, em algumas ocasiões, aproveitar o dinheiro poupado com essa economia para poder acelerar no modelo que quiser.

O mesmo vale caso de seu sonho seja viajar pelo mundo. Ao invés de ficar aguardando eternamente por esse sonho, trace um plano para fazer várias viagens menores antes de concluir o sonho maior.

Um sonho é resultado de construção e não privação

Quanto mais você se envolve com algo relacionado a seu sonho, mais conhece sobre ele, mais aperfeiçoa suas pesquisas e seu planejamento.

Gustavo Cerbasi

Eu viajo bastante porque conheço o assunto e consigo fazer com que meu dinheiro compre mais viagens do que a maioria das pessoas consegue comprar.

Por isso, quanto mais você se envolve com seu sonho, mais chances você terá de concretizá-lo.

Conclusão

Chegamos ao final do capítulo 5 e espero que você tenha percebido a importância da riqueza de uma vida simples.

No próximo post, vou falar sobre o Capítulo 6 do livro: Autoconhecimento gera autenticidade.

Nesse capítulo, o autor fala um pouco mais da importância do autoconhecimento e como saber sobre si mesmo pode te ajudar nesse processo de enriquecimento.

Comente se gostou, escreva suas dúvidas, e até a próxima.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.