fbpx

A Riqueza da Vida Simples – Capítulo 6

No capítulo 5, o autor mostra como fez para se conectar com o campo e levar uma vida mais simples, sem deixar de ter riqueza.

Agora, no sexto capítulo de A Riqueza da Vida Simples, Cerbasi fala um pouco mais da importância do autoconhecimento e como saber sobre si mesmo pode te ajudar no processo de enriquecimento.

Capítulo 6 – Autoconhecimento gera autenticidade.

Antes de mais nada, neste post falarei de:

O sonho deve ser verdadeiramente seu

O autor começa o capítulo 6 com a seguinte frase:

É perigoso viver o sonho dos outros. Impulsionado pela lavagem cerebral da mídia, você faz loucuras para alcançar um objetivo de consumo.

Gustavo Cerbasi

O que o Cerbasi quis dizer é que todos temos sonhos, mas por querer viver o sonho dos outros, passamos parte da vida enterrando os nossos.

A vida das redes sociais

Por exemplo, quando você fica sonhando a vida dos influenciadores digitais do Instagram e do Youtube, você não está de fato realizando o seu sonho.

Muitas vezes, você está apenas tentando reproduzir o sonho dessa pessoa, por conta do número de likes que ela teve ou pelo sucesso dela nas redes sociais.

Por isso, é importante entender que esses perfis podem servir para te inspirar na definição dos seus sonhos. Mas, se você não montar um plano, ele nunca sairá do papel.

Ou seja, não há nada de mal sonhar em fazer uma viagem que você viu outra pessoa fazer nas redes sociais, porém, não basta apenas sonhar, é preciso colocar a mão na massa para realizá-lo.

Comercial Marlboro Cowboy

Lembro, por exemplo, dos antigos comerciais de cigarro da Marlboro, onde mostravam sempre um cowboy nas montanhas, montado em um cavalo, dando a sensação de poder e liberdade.

Baseado nisso, as pessoas compravam o cigarro porque acreditavam que ele traria aquela força, liberdade e sensação de realização que o comercial ilustrava.

Porém, a maioria das pessoas que compravam o cigarro eram pessoas que viviam na cidade, ou seja, estavam presas na selva de concreto e usavam o cigarro como uma válvula de escape da realidade.

Em outras palavras, se o sonho não for verdadeiramente seu, a recompensa não é duradoura. Ou seja, no caso do cigarro, nem sempre quando a pessoa fumava o cigarro, ela sentia a sensação do comercial.

Ao contrário disso, como não é um efeito duradouro, as consequências são a recorrência de ansiedade e consumismo. Ou seja, um cigarro não basta mais, é preciso fumar o maço inteiro para ter a mesma sensação.

Conquistar objetivos e minimizar perdas

Em qualquer livro introdutório sobre educação financeira você encontra a sequência de perguntas que deve se fazer antes de cada compra:

1. Eu realmente QUERO?

2. Eu realmente PRECISO?

3. Eu POSSO?

Gustavo Cerbasi

Em primeiro lugar, lembre-se que o conceito de planejamento financeiro é fazer você conquistar objetivos e minimizar a possibilidade de perdas.

As 3 perguntas antes de comprar

Por isso, é preciso analisar cada uma das perguntas abaixo antes de cada compra:

  1. QUERO? Ou seja, não se deixe levar por uma boa lábia comercial. Antes de tudo, é preciso entender se você realmente QUER aquilo.
  2. PRECISO? Avalie se é uma necessidade ou se está comprando apenas por impulso.
  3. POSSO? Se você quer e precisa, é importante avaliar se a compra não afetará suas contas a ponto de custar mais caro lá na frente. Ou seja, se não vai faltar dinheiro no futuro por conta dessa despesa.
TEKPIX

Na minha época de escola, existia uma câmera fotográfica chamada Tekpix com milhares de funções. Porém, o mais marcante era a propaganda feita diariamente na hora do almoço.

Era uma espécie de lavagem cerebral, dizendo que as linhas estavam ocupadas, o desconto ia acabar e você ia ficar sem se não comprasse naquele exato momento.

De fato, muita gente comprou a Tekpix, gastando um valor considerado caro pela qualidade da câmera.

Portanto, se essas pessoas fizessem essas três perguntas, provavelmente não comprariam a câmera, pois não havia necessidade.

O desafio do autoconhecimento

É importante se conhecer.

O desafio está em parar, pensar em como você gostaria que sua vida fosse conduzida nos próximos anos, entender o cenário e montar planos para isso. Ao mesmo tempo, você precisa se blindar contra os estímulos de consumo, que ainda são muito fortes e presentes.

Gustavo Cerbasi
O efeito manada no consumo

Cerbasi também fala uma coisa importante que é o efeito manada no consumo. Ou seja, as pessoas compram o que está na moda simplesmente porque outras pessoas também estão comprando.

É como acontece com os animais na África. Quando os antílopes começam a correr, os outros da manada também correm sem nem ao menos saber o motivo.

E o pior, muitas vezes acabam até correndo na direção errada e indo direto pra emboscada preparada pelos predadores.

Então, o efeito manada no consumo é idêntico, pois se alguém está comprando algo na moda, você acaba comprando pelo impulso, sendo que nem precisava daquilo ou nem podia comprar.

Casamento da moda x custos

O grande desafio de quem quer casar é decidir entre o que está na moda e o que cabe dentro do seu bolso.

Por exemplo, a decoração pode ser mais elaborada ou mais simples. Para a fotografia, existem milhares de opções: você pode contratar o profissional de fotografia e ele pode te oferecer um pacote mais simples ou o pacote da moda, com drone e várias câmeras.

E assim funciona com uma série de itens que, a cada ano que passa, inventam uma nova moda e, se você quiser atender a todos, vai acabar gastando uma fortuna.

O fato é que o casamento deveria ser um evento para você, e não para impressionar as outras pessoas. Ou seja, o que deveria importar é a união entre as duas pessoas e não a opinião do resto dos convidados.

É preciso estudar a si mesmo

Por fim, a mensagem que o autor passar é de que você precisa se estudar, precisa se conhecer e precisa saber quais são os seus sonhos. Isto significa que você precisa saber o que você realmente gosta.

Praticando o autoconhecimento

Minha técnica para isso envolve dois procedimentos que pratico com a maior frequência possível: 1) rodear-me de pessoas queridas, que apontem, com sinceridade, meus erros e pontos fortes e também as ameaças e oportunidades de meus planos; e 2) experimentar coisas novas – quanto mais conheço do mundo, do trabalho e da sociedade, mais opções tenho para identificar o que me apaixona e o que dificulta minha caminhada.

Gustavo Cerbasi

É interessante esse exemplo pessoal do Cerbasi, afinal, quem mais poderia nos indicar o que gostamos ou não senão as pessoas que nos conhecem?

Diante disso, parte do autoconhecimento é se aproximar dessas pessoas, porque se elas realmente gostam de você, serão as mais sinceras.

Por outro lado, quanto mais experiências você tem, mais reafirma o que gosta ou não. Quando eu era pequeno, por exemplo, eu não comia sopa, mas hoje eu gosto.

No entanto, eu nunca gostei de camarão e, mesmo tendo experimentado várias vezes, nunca consegui mudar de opinião.

Portanto, somente experimentado é que você vai identificar se gosta ou não de algo.

Receber feedback das pessoas

Praticar autoconhecimento é receber feedback das pessoas, isto significa escutar muito mais do que argumentar.

Para isso, quanto mais tempo com pessoas próximas, mais tempo você terá para ouvir opiniões. Porém, para ter essas pessoas próximas, você precisa ter tempo para passar com elas.

Para praticar o autoconhecimento, você deve alternar suas rotinas de criação/construção (trabalho) com as de descanso e lazer/experiências.

Gustavo Cerbasi

Então, vale a pena planejar para reduzir ritmo, reservar um dia da semana para relaxar com essas pessoas e deixar o trabalho de lado.

O próprio autor, mesmo no auge quando dava aulas, fazia palestras, cursos e escrevia livros, ainda assim reservava 3 meses de férias para poder curtir com a família.

Afinal, após o descanso, sempre voltamos com mais energia e mais preparados para enfrentar os desafios e seguir com nossos planos.

Como ter felicidade?

Felicidade tem a ver com a frequência de alegrias que você tem na vida. Será mais feliz, portanto, quem tiver mais sucesso em praticar aquilo que lhe traz alegrias.

Gustavo Cerbasi

Não importa seu sonho, desde que você o esteja construindo.

Por exemplo, você deve se lembrar do Gari Renato Sorriso, que ficou famoso no carnaval do Rio de Janeiro ao dançar enquanto varria o sambódromo nos intervalos dos desfiles.

Isto é, uma pessoa que levava uma vida simples e mesmo assim era feliz. Tão feliz que seu apelido era Sorriso.

E além de ser mais feliz, será também mais autêntico se você faz uma coisa que realmente gosta. Consequentemente, você deixará de seguir a manada e quebrará padrões.

Imagine que você queira fazer uma viagem de navio, mas você não teria condições de pagar essa viagem agora. No entanto, ao pensar formas de construir esse sonho, você pode começar a guardar o dinheiro e viajar daqui alguns anos.

Além disso, pode surgir uma possibilidade de você trabalhar no navio, ou seja, você realizaria o sonho e ainda ganharia por isso.

Portanto, ao construir o seu sonho, você vai encontrando possibilidades de realizá-lo.

Errar é humano

Você já errou, eu já errei (muito, por isso cresci), todos erram. Dentre os que erram, há os que colocam em prática as lições aprendidas e crescem.

Gustavo Cerbasi

O grande desafio é saber atender suas vontades sem criar problemas. Ou seja, você pode cometer algum deslize no caminho, o problema é quando você não aprende com os erros cometidos.

Por isso, é preciso criar um plano a partir do cenário que você se encontra. Ele será seu ponto de referência.

Depois disso, você vai atrás do COMO, ou seja, quais as etapas necessárias para construir seus planos e não SE vai ou não realizar seus sonhos.

Finalmente, procure aprender com os erros, pois eles vão acontecer, o problema é quando você não aprende com eles e insiste em fazer a coisa errada.

Foque no que te traz alegria

O autor diz que há duas formas de ter mais felicidade na vida:

Uma delas é focar as escolhas e os planos na conquista daquilo com que sonhamos e que nos traz mais alegrias – de fato, o que mais temos vontade fazer. A outra é diminuir o tempo e os recursos dedicados àquilo que não contribui para as nossas alegrias

Gustavo Cerbasi

No livro, Cerbasi traz várias reflexões sobre o que realmente te traz alegria ou não, veja esses exemplos:

  • Quanta alegria traz para você uma roupa cara que você raramente usa?
  • E a piscina no seu condomínio que fica mais de 6 meses no ano fechada? E a quadra de tênis que você nunca usou?

Saber de onde vem a sua felicidade é importante pra eliminar o que não contribui pra ela.

Conclusão

Chegamos ao final do capítulo 6 e espero que você tenha refletido um pouco mais sobre autoconhecimento.

No próximo post, vou falar sobre o Capítulo 7 do livro: No mínimo, a essência.

Nesse capítulo, o autor faz um complemento do capítulo deste post, dando ideias de como eliminar o que não contribui para a sua felicidade, inclusive, entrando mais afundo no tema do minimalismo.

Comente se gostou, escreva suas dúvidas, e até a próxima.

1 comentário em “A Riqueza da Vida Simples – Capítulo 6”

  1. Pingback: A Riqueza da Vida Simples - Capítulo 5 - Murilo Massaretto

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *